terça-feira, 20 de outubro de 2009

porque sim!

porquê?
porque sim!

e é suposto aceitarmos este género de resposta...em contexto profissional e de formação de adultos porque não "às vezes é preferivél não pesquisarmos"!

as coisas que nós aprendemos!

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

secretly.



I've been biding my time, been so subtly kind,
I've got to think so selfishly, 'cos you're the face inside of me.
I've been biding my days, you see evidently it pays,
I've been a friend, with unbiased views, then secretly lust after you
So now you feel rusty You're bored & bemused
You wanna do someone else, so you should be by yourself, instead of here with
me, secretly

Trying hard to think pure, bloody hard when I'm raw,
you're talking out so sexually, 'bout boys & girls & your friggin' dreams.
So Now you feel lusty, you're hot & confused.
You wanna do someone else, so you should be by yourself, instead of here with
me, secretly

So now you've been busted, you're caught feeling used.
You had to do someone else, you should've been by yourself,
You had to do someone else, you should've been by yourself,
instead of here with me, secretly, secretly


secretly Skunk Anansie

terça-feira, 8 de setembro de 2009

quinta-feira, 30 de julho de 2009

o amor é fodido

Nascemos todos com vontade de amar. Ser amado é secundário. Prejudica o amor que muitas vezes o antecede.

Um amor não pode pertencer a duas pessoas, por muito que o queiramos. Cada um tem o amor que tem, fora dele. É esse afastamento que nos magoa, que nos põe doidos, sempre à procura do eco que não vem. Os que vêm são bem-vindos, às vezes, mas não são os que queremos. Quando somos honestos, ou estamos apaixonados, é apenas um que se pretende.

Tenho a certeza que não se pode ter o que se ama. Ser amado não corresponde jamais ao amor que temos, porque não nos pertence. Por isso escrevemos romances - porque ningém acredita neles, excepto quem os escreve.

Viver é outra coisa. Amar e ser amado distrai-nos irremediavelmente. O amor apouca-se e perde-se quando se dá aos dias e às pessoas. Traduz-se e deixa de ser o que é. Só na solidão permanece.

Tenho o meu amor, como toda a gente, mas não o usei. Tenho também a minha história, mas não a contei. O romance que escrevi, escrevi-o para quem não quer saber dos amores ou das histórias de ninguém. Não contei nem inventei nada. Não usei nem pessoas nem persenagens. Fugi.

Quis mostrar que pertencia ao mundo onde o amor, como as histórias e os romances, existem só por si. Como se me dirigisse a alguém. Outra vez.

É sempre arrogante e pretencioso escrever sobre uma coisa que se escreveu. Apenas posso falar do que foi a minha vontade: escrever sobre o amor, sem traí-lo, defini-lo ou magoá-lo; deixando-o como era, antes da primeira palavra que escrevi. Seria inadmissível pôr-me aqui a cismar se consegui ou não fazer o que eu queria.

Como seria dizer que não sei. Sei. Sei que não consegui. Só espero não tê-lo conseguido bem.


Miguel Esteves Cardoso

a volta do dedo podre na escolha

"nessa altura a magia perdeu-se"

o romantismo no séc. XXI

"...se quisesses já tinhas apanhado o táxi."

depois disto, quem precisa de flores?!

segunda-feira, 22 de junho de 2009

nunca mais é amanhã...

há dias em que deviamos ser proibidos de sair de casa!

domingo, 21 de junho de 2009

nem sempre é fácil...;)

"Para aproveitarmos a liberdade temos que nos controlar."

Virginia Woolf

sexta-feira, 19 de junho de 2009

um banho de humildade

...admiro a vossa paciência...

Dr. Walter Osswald

(após uma brilhante exposição sobre Bioética, durante 4h que souberam a pouco e com a coragem suficiente para não ter suporte num único diapositivo...um verdadeiro senhor com conhecimento de causa...um académico nato!!! Todas as aulas fossem assim e seria tão mais fácil estudar!)

a alma em convulsão

...férias, por favor!!!

:(

quinta-feira, 18 de junho de 2009

por uma questão de tempo

Qualquer perda quando chega, vem sempre cedo de mais

Morrie Schawartz in Amar e Viver

se alguém acredita que o normal existe...

o desafio da normalidade

José Maria Cabral

quarta-feira, 17 de junho de 2009

quarta-feira, 10 de junho de 2009

"à espera de Sofia"



Rodrigo Leão

talvez valha a pena!

I don't feel alright...



MEW - comforting sounds

I don't feel alright
in spite of these comforting sounds you make.
I don't feel alright
because you make promises that you break.
Into your house,
why don't we share our solitude?
Nothing is pure anymore but solitude.

It's hard to make sense,
feels as if I'm sensing you through a lens.
If someone else comes,
I'll just sit here listening to the drums.
Previously I never called it solitude.
And probably you know all the dirty shows I've put on.
Blunted and exhausted like anyone.
Honestly I tried to avoid it. Honestly.
Back when we were kids, we would always know when to stop.
And now all the good kids are messing up.
Nobody has gained or accomplished anything.

segunda-feira, 8 de junho de 2009

eu também não!

"não gosto de nada que me doa"

MEC

"acho-te graça..."

"se tivesse de escolher dentre todas as coisas bonitas que se podem achar de outra pessoa, escolheria sempre a graça. Então a tua."

Miguel Esteves Cardoso



:)
obrigada a quem o disse...e obrigada ao Miguel Esteves Cardoso por ter dado o verdadeiro significado à expressão. Talvez o significado que quem disse sentiu, mas que não conseguiu explicar a importância que o achar graça tinha para si...

quarta-feira, 27 de maio de 2009

...para enfrentarmos juntos...

"Para atravessar contigo o deserto do mundo
Para enfrentarmos juntos o terror da morte
Para ver a verdade
para perder o medo
Ao lado dos teus passos caminhei
Por ti deixei meu reino
meu segredo
Minha rápida noite
meu silêncio
Minha pérola redonda e seu oriente
Meu espelho
minha vida
minha imagem
E abandonei os jardins do paraíso
Cá fora
à luz sem véu do dia duro
Sem os espelhos
vi que estava nua
E ao descampado se chamava tempo
Por isso com teus gestos me vestiste
E aprendi a viver em pleno vento"




Sophia de Mello Breyner Andresen
Livro Sexto (1962)

segunda-feira, 25 de maio de 2009

alvorada



Marvin Gaye: "Lets Get It On"

I've been really tryin', baby
Tryin' to hold back this feelin' for so long
And if you feel like I feel, baby
Then come on, oh, come on
Whoo, let's get it on
Ah, babe, let's get it on
Let's love, baby
Let's get it on, sugar
Let's get it on
Whoo-ooh-ooh

We're all sensitive people
With so much to give
Understand me, sugar
Since we got to be
Let's live
I love you

There's nothin' wrong
With me lovin' you
Baby, no, no
And givin' yourself to me can never be wrong
If the love is true
Oh, babe, ooh, ooh

Don't you know
How sweet and wonderful life can be?
Whoo-ooh
I'm askin' you, baby
To get it on with me
Ooh, ooh, ooh

I ain't gonna worry, I ain't gonna push
Won't push you, baby
So come on, come on, come on, come on, come on, baby
Stop beatin' 'round the bush, hey

Let's get it on, ooh, ooh
Let's get it on
You know what I'm talkin' 'bout
Come on, baby, hey, hey
Let your love come out
If you believe in love
Let's get it on, ooh, ooh
Let's get it on, baby
This minute, oh yeah
Let's get it on
Please, please, get it on
Hey, hey

I know you know
What I've been dreamin' of
Don't you, baby?

segunda-feira, 27 de abril de 2009

P

A

Z




...e, por agora, é só isso!

o resto... talvez para a próxima semana...ou para a outra a seguir... um dia destes!

segunda-feira, 13 de abril de 2009

a reunião foi marcada

A reunião foi marcada
Para a véspera de nada.
Todos traziam segredos;
Os de alguns eram só medos,
Os de outros a vida errada
Ou a esperança perdida
A que chamamos a vida.

Mas ninguém apareceu.
Uns iam a achar o céu,
Outros a cair no inferno,
E outros num ritmo mais seu,
Num caminho mais eterno.

Apareci eu, só eu;
E à sessão, que não havia,
Presidi, e nomeei-me
Secretário, e falei-me.
Entrei na ordem do dia.

Se isto aconteceu agora,
Ou fora de toda a hora
Que possa haver neste mundo,
Não sei, nem quero saber.
Sofro um descanso profundo
Da reunião por haver.



Fernando Pessoa

ida às finanças...

segunda feira!
perdi a senha para entrega do IRS via Internet. como o prazo de entrega acaba dia 15/4 e a entrega da nova senha pode demorar entre 3 a 5 dias por correio, fui aconselhada pela contabilista a ir às Finanças...

...e lá fui eu! acabadinha de acordar para ir às Finanças! até começou bem, só tinha uma pessoa à frente...

"Concerteza menina, vamos já tratar disso!"..."tem e-mail?"...sim!..."e sabe qual é?"...sim!..."é que muita gente não sabe! aliás, há pouco tempo fiz essa pergunta e a pessoa achou que eu lhe estava a perguntar se tinha mel..."

ok...respira-se fundo, dá-se um sorriso amarelo e acaba-se de fazer o que realmente se foi lá fazer!

se sei qual é o meu mail? o meu, não um mail qualquer, se sei qual é? e se sei o meu nome ou o meu número de telemóvel? também não é importante para a sua cultura pessoal?

domingo, 12 de abril de 2009

O Leitor



A moral e a moralidade...o passado e o presente... sem dúvida um filme fantástico, se estivermos suficientemente despertos para ler nas entrelinhas...

o que estamos dispostos a fazer para guardar um segredo? que preço estamos dispostos a pagar por vergonha?

Hannah Schmitz prefere uma pena agravada pelos crimes que cometeu enquanto guarda das brigadas SS, à vergonha de admitir o seu analfabetismo perante juíz e jurados.

mas este é apenas um dos fios da história...se estivermos dispostos a pensar, acabamos de ver o filme com a velha questão do "felizes para sempre"...será apenas válida a felicidade quando dura para sempre?

sempre que algo corre mal, facilmente esquecemos o que de bom ficou para trás! quando uma relação acaba, por culpa de algém ou das circunstâncias, rapidamente fica reduzida à partilha de culpa...se acaba mal, todos os momentos felizes que possam ter existido desaparecem. O mesmo se passa quando, no presente, se descobrem factos aterradores que enviezam a percepção dos momentos felizes vividos...e tudo tende a ser esquecido! e a verdade do presente é a única que interessa...

Domingo de Páscoa

Na terrinha ainda se cumpre a tradição católica do Domingo de Páscoa. Para quem acredita, simboliza a ressurreição de Cristo.

Mas há uma dúvida que me persegue: se se comemora a ressurreição, porque razão se haveria de escolher a imagem perturbadora do Filho crussificado?

Por cá, ainda se abre a porta ao Compasso, que vai de casa em casa dar a boa nova da ressurreição. "Cristo ressuscitou, ALELUIA, ALELUIA"...

O Juíz da Cruz, dá o Crucifixo a beijar e fica cumprida a tradição...depois fica-se a pensar na falta de higiene!

A Cruz de boca em boca...carregadinha de milhões de colónias de germes e o povo todo contente, sem tempo para dúvidas existenciais..."beijar ou não beijar...eis a questão..."!

enfim...é só uma questão de tempo até a ASAE se debruçar sobre o assunto e exterminar o Compasso por declarada falta de higiene pública.

sexta-feira, 10 de abril de 2009

Pai Nosso, que estais nos Céus...

Liberdade, que estais no céu...

Rezava o padre-nosso que sabia, a pedir-te, humildemente,o pio de cada dia.
Mas a tua bondade omnipotente nem me ouvia.

Liberdade, que estais na terra...

E a minha voz crescia de emoção.
Mas um silêncio triste sepultava a fé que ressumava da oração.

Até que um dia, corajosamente, olhei noutro sentido, e pude, deslumbrado, saborear, enfim, o pão da minha fome.

Liberdade, que estais em mim, santificado seja o vosso nome.



Miguel Torga (Poema: Liberdade, in Diário XII)

6a feira...dizem que é santa!

"meu Deus...meu Deus, porque me abandonaste?"

pergunta Cristo, na cruz, ao Pai...e de nada lhe valeu... e morreu...por todos, pela salvação de todos...e o céu escureceu...e no dia, fez-se noite...

porque o Pai decidiu que era assim que tinha que ser! E era suposto Ele aceitar sem questionar...abnegação total!

e depois, ao 3º dia, ressuscitou! depois de ter sido posto à prova e ter passado a prova...a recompensa final...a vida eterna e o lugar à direita do Pai...o mesmo que o sacrificou!

e, afinal, valeu a pena?
e o que mudou?
mudou mesmo alguma coisa?
como é que se descobre isso?
como é que se descobre que a vida não acaba quando acaba aqui?
que fé é preciso ter?
onde se vai buscar essa fé?

essa fé que já tive um dia e perdi um dia, está onde?
essa fé que apaziguava a alma e desapareceu?
e a vida continua...
cada vez com menos religiosidade e com mais espiritualidade!
à espera de fazer as pazes, um dia, com esse Deus...

e encontrar o conforto de acreditar num mundo melhor, depois da vida neste...
sem sofrer com a certeza da nossa finitude...

frustração

(...) a vida disse que era tarde demais.

E que as paixões tardias são ironias (...)


Miguel Torga

ainda não tinha referido, mas...

...alguém reparou no jogo fantástico do FCporto X Manchester?

pois é, para quem tinha dúvidas, teve o privilégio de assistir a uma lição de futebol e humildade...porque, no fim, os jogos não se ganham sozinhos e muito menos se ganham com fama!

podem até vir cá dia 15 e dar-nos 1 "abada"...mas, pelo menos, vão ter que fingir que respeitam o nosso futebol...LOL

:)

quarta-feira, 8 de abril de 2009



I asked her to stay
But she wouldn't listen
She left before I had the chance to say (Oh-oh)
The words that would mend
The things that were broken
But now it's far too late, she's gone away

Every night you cried yourself to sleep
Thinking: "Why does this happen to me?
Why does every moment have to be so hard?"
Hard to believe it

It's not over tonight
Just give me one more chance to make it right
I may not make it through the night
I won't go home without you

The taste of her breath, I'll never get over
The noises that she made kept me awake (Oh)
The weight of the things that remained unspoken
Built up so much it crushed us everyday

Every night you cried yourself to sleep
Thinking: "Why does this happen to me?
Why does every moment have to be so hard?"
Hard to believe it

It's not over tonight
Just give me one more chance to make it right
I may not make it through the night
I won't go home without you (Oh-oh-oh-oh)

It's not over tonight
Just give me one more chance to make it right
I may not make it through the night
I won't go home without you (Oh-oh-oh-oh)

Of all the things I felt but never really showed
Perhaps the worst is that I ever let you go
I should not ever let you go (oh-oh-oh)

It's not over tonight
Just give me one more chance to make it right
I may not make it through the night
I won't go home without you (oh-oh-oh-oh)

It's not over tonight
Just give me one chance to make it right
I may not make it through the night
I won't go home without you
And I won't go home without you
And I won't go home without you
I won't go home without you


Maroon 5 : I Won't Go Home Without You

rendida ao sentido de oportunidade do senhor Berlusconi

E depois disto, vamos todos ficar à espera que o senhor Berlusconi altere o seu destino de férias da Páscoa e vá aproveitar o que de bom existe lá para os arredores de Aquila...talvez troque o seu hotel de 5 estrelas por aquelas fantásticas tendas...

Tendas devem ser encaradas como «acampamento de fim-de-semana», diz Berlusconi
Hoje às 11:25



As vítimas do sismo, que aconteceu na segunda-feira na região italiana de Abruzzo, que neste momento «sobrevivem» em tendas, devem encarar «a situação como um acampamento de fim-de-semana», disse esta quarta-feira, o primeiro-ministro de Itália, Silvio Berlusconi.
Os desalojados que se encontram em tendas, a maioria nos arredores de Aquila, capital da província de Abruzzo, têm todas as condições básicas asseguradas. O chefe do Governo italiano garante que «não lhes falta nada, têm cuidados médicos e comida quente».


«É claro que os actuais abrigos são totalmente provisórios, mas por isso mesmo, é preciso encarar a situação como um acampamento de fim-de-semana», afirmou o primeiro-ministro italiano em resposta a uma jornalista da televisão alemã N-TV.


Cerca de 17.000 desalojados foram registados pelas autoridades, na sequência do sismo que fez pelo menos 250 mortos, de acordo com o último balanço da protecção civil.


Um novo tremor de terra foi sentido esta quarta-feira, perto das 06:30 locais (05:30 em Lisboa), tendo vários outros ocorrido ao longo de toda a noite.


Ana Sofia Calaça com agências
http://tsf.sapo.pt/PaginaInicial/Vida/Interior.aspx?content_id=1194929


domingo, 15 de março de 2009

"10 coisas que odeio em ti"




I hate the way you talk to me

and the way you cut your hair.

I hate the way you drive my car;

I hate it when you stare.

I hate your big dumb combat boots

and the way you read my mind.

I hate you so much it makes me sick.

It even makes me rhyme.

I hate it


I hate the way you're always right;

I hate it when you lie.

I hate it when you make me laugh;

even worse when you make me cry.

I hate it when you're not around

and the fact that you didn't call.

But mostly I hate the way I don't hate you

not even close, not even a little bit, not even at all.

o casal (im)perfeito!



O produtor Polow Da Don confirmou à CNN que Rihanna e Chris Brown gravaram um dueto, mas sem avançar mais detalhes. Rumores sobre um tema em conjunto já circulavam na Internet há vários dias.

A música foi originalmente escrita para Rihanna e conta com a colaboração de Brown.

Chris Brown foi acusado de ter batido em Rihanna na noite de 8 de Fevereiro, a caminho da cerimónia dos Grammy, e enfrenta agora duas acusações de agressão qualificada e ameaças de morte.

O cantor tem de comparecer em tribunal a 6 de Abril e foi marcada uma audiência preliminar para dia 23 de Março.


http://diario.iol.pt

têm tudo para ser felizes:
- famosos
- bem sucedidos no campo musical, embora de qualidade questionável
- jovens e milionários
- presença constante nas tabelas de música de todo o mundo
- inteligentes o suficiente para se destacarem na profissão que escolheram...

enfim, aparentemente não lhes falta nada para serem felizes...não fosse um pequenino pormenor de violência doméstica!

MAS, parece que o velho ditado de "quanto mais me bates...mais gosto de ti", acenta que nem uma luva à menina!
SIM, é isso mesmo...bastou um presentinho cravejado de diamantes e a promessa de frequentar um curso de auto-controlo que ela...PERDOOU!

mas será possível ser-se tão estúpida? de certeza que não tem problemas de dependência financeira nem familiar...então, porquê?

porque continuam as mulheres a sujeitar-se a este tipo de violência?
com que justificação absurda?
que desculpas arranjam para desculpabilizarem o outro?
que falta de auto-estima é esta, em pleno séc.XXI?
e não é apenas um problema de classes desfavorecidas ou pouco esclarecidas...atravessa todas as classes sociais!

que mecanismo inconsciente permite esta subjugação?
que fragilidade é esta?
que doença é esta e qual a etiologia?


P O R Q U Ê ?

um vício...



não consigo resistir...é tão linda!

sexta-feira, 13 de março de 2009

parabéns ao Pinóquio pelos seus 70 anos

...e pela consciência



"eu te amo"



Ah, se já perdemos a noção da hora
Se juntos já jogamos tudo fora
Me conta agora como hei de partir

Ah, se ao te conhecer
Dei pra sonhar, fiz tantos desvarios
Rompi com o mundo, queimei meus navios
Me diz pra onde é que inda posso ir

Se nós nas travessuras das noites eternas
Já confundimos tanto as nossas pernas
Diz com que pernas eu devo seguir

Se entornaste a nossa sorte pelo chão
Se na bagunça do teu coração
Meu sangue errou de veia e se perdeu

Como, se na desordem do armário embutido
Meu paletó enlaça o teu vestido
E o meu sapato inda pisa no teu

Como, se nos amamos feito dois pagãos
Teus seios ainda estão nas minhas mãos
Me explica com que cara eu vou sair

Não, acho que estás te fazendo de tonta
Te dei meus olhos pra tomares conta
Agora conta como hei de partir.


composição: Chico Buarque e Tom Jobim

para eles e por mais um fim de semana

palavras...essas, ficam sempre!

Há palavras que nos beijam
Como se tivessem boca.
Palavras de amor, de esperança,
De imenso amor, de esperança louca.

Palavras nuas que beijas
Quando a noite perde o rosto;
Palavras que se recusam
Aos muros do teu desgosto.

De repente coloridas
Entre palavras sem cor,
Esperadas inesperadas
Como a poesia ou o amor.

(O nome de quem se ama
Letra a letra revelado
No mármore distraído
No papel abandonado
)

Palavras que nos transportam
Aonde a noite é mais forte,
Ao silêncio dos amantes
Abraçados contra a morte.



Alexandre O'Neill

Para a gente que vale a pena



As coisas vulgares que há na vida
Não deixam saudades
Só as lembranças que doem
Ou fazem sorrir

Há gente que fica na história
da história da gente
e outras de quem nem o nome
lembramos ouvir

São emoções que dão vida
à saudade que trago
Aquelas que tive contigo
e acabei por perder

Há dias que marcam a alma
e a vida da gente
e aquele em que tu me deixaste
não posso esquecer

A chuva molhava-me o rosto
Gelado e cansado
As ruas que a cidade tinha
Já eu percorrera

Ai... meu choro de moça perdida
gritava à cidade
que o fogo do amor sob chuva
há instantes morrera

A chuva ouviu e calou
meu segredo à cidade
E eis que ela bate no vidro
Trazendo a saudade

Mariza: Chuva
composição: Jorge Fernando

p.s.: nem todos os que passam na nossa vida merecem ser lembrados...outros, tal como os bons momentos, ficam na memória para sempre.
"...está tão na moda ser doido que tornou-se uma arte..."

Black Company

quinta-feira, 12 de março de 2009

novas oportunidades

"é uma alegria poder saber que posso (...) voltar a estudar"

Nuno Gomes

Enfim, esperemos que o protocolo agora assinado pelo sindicato dos jogadores de futebol, no âmbito das novas oportunidades e que pretende que os jogadores de futebol terminem o 12º ano, faça milagres...a começar pelas declarações do
Nuno Gomes.

lots of money...e para já, chega



I want to be rich and I want lots of money
I don’t care about clever I don’t care about funny
I want loads of clothes and fuckloads of diamonds
I heard people die while they are trying to find them

I’ll take my clothes off and it will be shameless
‘Cuz everyone knows that’s how you get famous
I’ll look at the sun and I’ll look in the mirror
I’m on the right track yeah I’m on to a winner


I don’t know what’s right and what’s real anymore
I don’t know how I’m meant to feel anymore
When do you think it will all become clear?
‘Cuz I’m being taken over by The Fear

Life’s about film stars and less about mothers
It’s all about fast cars concussing each other
But it doesn’t matter cause I’m packing plastic
and that’s what makes my life so fucking fantastic

And I am a weapon of massive consumption
and its not my fault it’s how I’m programmed to function
I’ll look at the sun and I’ll look in the mirror
I’m on the right track yeah we're on to a winner


I don’t know what’s right and what’s real anymore
I don’t know how I’m meant to feel anymore
When do you think it will all become clear?
‘Cuz I’m being taken over by The Fear


Forget about guns and forget ammunition
Cause I’m killing them all on my own little mission
Now I’m not a saint but I’m not a sinner
Now everything's cool as long as I’m getting thinner


I don’t know what’s right and what’s real anymore
I don’t know how I’m meant to feel anymore
When do you think it will all become clear?
‘Cause I’m being taken over by fear

LILY ALLEN the fear

domingo, 8 de março de 2009

"O inferno dos vivos não é uma coisa que virá a existir; se houver um, é o que já está aqui, o inferno que habitamos todos os dias, que nós formamos ao estarmos juntos. Há dois modos para não o sofrermos. O primeiro torna-se fácil para muita gente: aceitar o inferno e fazer parte dele a ponto de já não o vermos. O segundo é arriscado e exige uma atenção e uma aprendizagem contínuas: tentar e saber reconhecer, no meio do inferno, quem e o que não é o inferno, e fazê-lo viver, dar-lhe lugar."


Italo Calvino "As Cidades Invisíveis"

faz falta ser cego

Faz falta ser cego,
ter como metidas nos olhos raspaduras de vidros,
cal viva,
areia a ferver,
para não ver a luz que salta em nossos actos,
que ilumina por dentro a nossa língua,
a nossa palavra quotidiana.

Faz falta querer morrer sem lápide de glória e alegria,
sem participação nos hinos futuros,
sem lembrança nos homens que julguem o passado sombrio da Terra.

Faz falta querer já na vida ser passado,
obstáculo sangrento,
coisa morta, esquecimento seco.



Rafael Alberti, in " Antologia da Poesia Espanhola Contemporânea" assírio & alvim, 1985
trad. José Bento

e quando o silêncio é possível...

“every word is like an unnecessary stain on silence and nothingness”

samuel beckett

quarta-feira, 4 de março de 2009

na dúvida, registo




When the rain
Is blowing in your face
And the whole world
Is on your case
I could offer you
A warm embrace
To make you feel my love

When the evening shadows
And the stars appear
And there is no one there
To dry your tears
I could hold you
For a million years
To make you feel my love

I know you
Haven't made
Your mind up yet
But I would never
Do you wrong
I've known it
From the moment
That we met
No doubt in my mind
Where you belong

I'd go hungry
I'd go black and blue
I'd go crawling
Down the avenue
No, there's nothing
That I wouldn't do
To make you feel my love

The storms are raging
On the rolling sea
And on the highway of regret
Though winds of change
Are throwing wild and free
You ain't seen nothing
Like me yet

I could make you happy
Make your dreams come true
Nothing that I wouldn't do
Go to the ends
Of the Earth for you
To make you feel my love


adele

domingo, 25 de janeiro de 2009

reitor, procura-se...

quem procura?
a Universidade de Lisboa...

estão abertas as candidaturas...e estendem-se além fronteiras!

para os possíveis interessados, aqui fica a divulgação, tornada pública em edital através do site da Universidade:

1. A Universidade de Lisboa por esta forma procede ao anúncio público da abertura
do processo de candidaturas ao cargo de Reitor.

2. O Reitor é eleito pelo Conselho Geral da Universidade, para um mandato de
quatro anos, e é o órgão superior de governo e de representação institucional
externa da Universidade, exercendo as suas funções em regime de dedicação
exclusiva.

3. Podem candidatar-se professores e investigadores da Universidade de Lisboa
ou de outras instituições nacionais ou estrangeiras de ensino universitário ou
de investigação, em exercício efectivo de funções.

4. O Reitor deve ser uma personalidade académica de incontestável prestígio, com
experiência no exercício de funções de direcção em instituições de ensino universitário
ou de investigação, dotada da visão estratégica adequada à prossecução
de uma política de modernização e abertura da Universidade de Lisboa à sociedade,
capaz de promover valores humanísticos e científicos num ambiente de
colegialidade e de inclusão da diversidade de todos os seus membros.

5. As candidaturas são dirigidas, em português, ao Presidente do Conselho Geral,
integrando o Curriculum Vitae e o Programa de Acção, entre os dias 12 de
Janeiro e 12 de Fevereiro de 2009.

6. As funções do Reitor segundo o novo modelo de governação da Universidade,
respectivo Plano estratégico, o regime jurídico e estatutário bem como as
condições de elegibilidade e o regulamento que rege a sua eleição pelo
Conselho Geral estão disponíveis para consulta em www.ul.pt


E-mail: candidatura.reitor@reitoria.ul.pt
Telefone + 351 21 011 34 18

...agora, é só tentar a sorte...
;)

eu quero!


Notebook X110 da LG



















aceitam-se contribuições...

o mundo pode ser um espaço melhor

regra 1:
não invadir o espaço alheio

regra 2:
deixar acontecer

regra 3:
dar importância aos pormenores

regra 4:
exterminar gente estúpida

regra 5:
remeter-se ao silêncio em vez de discutir

regra 6:
sorrir

regra 7:
aprender sempre com quem sabe mais...são sempre mais humildes do que os que aparentam saber

regra 8:
m&m's; sugus; pintarolas e HÄAGEN-DAZS® nunca são de mais

regra 9:
não deixar o despertador tocar 2 vezes

regar 10:
munca deixar acabar o leite e os cereais preferidos

continua...

e, mais uma vez, a necessidade do silêncio


porque a solidão não é o pior castigo...


há companhias bem piores

:(

segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

STOMP...vale a pena ir ver




Latas, vassouras, botas, isqueiros, tampas de caixotes do lixo, garrafões, cadeiras, baldes de plástico... São objectos do nosso quotidiano que pouco protagonismo têm em muitas das nossas vidas. Utilitários, sem dúvida. Mas habitualmente remetidos às funções para as quais foram criados. Tudo isto muda se em cena entra o colectivo Stomp. Aí estes objectos transfiguram-se, ganham outra notoriedade. E em vez de limpar, calçar, ou arrumar, ajudam a fazer música e a dançar... A ideia já não é uma novidade absoluta para o público português, que já acolheu por várias vezes espectáculos dos Stomp. O reencontro, de resto, é uma vez mais possível, para já em Lisboa.

O Auditório dos Oceanos, no Casino de Lisboa, apresenta nas próximas semanas a trupe Stomp, com espectáculos diários (salvo às segundas-feiras) pelas dez da noite, com actuações adicionais nas tardes de sábado e domingo, pelas 17.00. Depois da temporada lisboeta, o espectáculo muda-se de armas e bagagens para o Norte. Aí estará em cena no Coliseu do Porto, com estreia marcada para dia 18 de Fevereiro, às 21.30.

Os espectáculos dos Stomp habituaram as suas plateias a um festim de sons e movimentos. Não é apontado a nenhum grupo etário nem a nenhum público-alvo em particular. Os objectos usados em cena são, ao mesmo tempo, adereço para as coreografias e instrumentos de percussão. A sua linguagem é universal, ultrapassa a barreira das línguas e já mostrou ser capaz de comunicar para povos de todo o mundo.

A ideia nasceu em Brighton, no Reino Unido, quando uma trupe de dança nada tradicional surgiu com uma proposta de espectáculo claramente invulgar. Na origem da concepção do projecto está uma banda: a The Yes/No People, que ganhou alguma notoriedade por criações como Mr Johnson ou Some Things Are True.

As primeiras apresentações dos Stomp valeram-lhes imediata mediatização. O sucesso em palco rapidamente deu lugar a novas aventuras tão distintas como a gravação de discos ou a participação em spots para campanhas televisivas. Inevitavelmente um DVD entrou depois em cena, registando em Stomp Out Loud o ambiente do espectáculo na origem deste fenómeno.

Os Stomp têm vários espectáculos residentes (em cidades como Nova Iorque ou Las Vegas) e digressões que correm o mundo.


http://dn.sapo.pt/2009/01/07/artes/dancas_rua_stomp_regresso_a_lisboa.html

inferno...

existe...lá para as bandas da sala 5...

...tenham medo...tenham muito medo..